É Possível Equilibrar Trabalho e Vida Pessoal?

 

A busca do equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal tornou-se um dos maiores desafios para o profissional atual. São muitas exigências, responsabilidades e pressões vindas tanto do mundo do trabalho quanto de nossas famílias, amigos e vida social que competem entre si pelo nosso tempo e energia.

Por um lado, quando você dá mais atenção à sua atividade profissional, provavelmente sente-se culpado de não estar dando atenção à sua vida pessoal, o que prejudica o seu desempenho. Por outro, quando dá mais atenção à sua vida pessoal, sente-se culpado de não dar o melhor para o seu trabalho, o que pode comprometer a sua empregabilidade e futuro profissional. Como se libertar deste conflito?

O primeiro passo é lembrar que a decisão está sempre em suas mãos. De forma consciente ou não, você está sempre tomando decisões. Mesmo quando fica paralisado e não toma nenhuma decisão, você está tomando uma decisão! A pergunta mais importante a ser feita é se você toma decisões com base em seus medos conscientes e subconscientes (decisões reativas), ou com base na autoconfiança (decisões proativas). No primeiro caso, os reflexos das decisões reativas criam mais problemas do que aqueles que você estava tentando resolver originalmente. O que significa que você terá que acrescentar mais tempo e energia para resolvê-los, o que irá prejudicar o seu equilíbrio trabalho/vida pessoal, e desta maneira, diminuir sua qualidade de vida. O que significa que aumentar o seu nível de autoconhecimento ou autoliderança[i] é um dos passos mais importantes para você voltar a ganhar controle sobre a sua vida.

O segundo é investigar quais são as prioridades que definem a sua vida atualmente. Essas prioridades estão implícitas nos valores com os quais você se conecta mais fortemente, aqueles dos quais você não abre mão. Mas aqui é preciso tomar cuidado, pois existem valores que você considera importantes, mas que no momento de uma decisão são esquecidos. Estes são os valores que chamo de “teóricos ou da máscara”, pois são declarados para você ficar “bem na foto”. Por exemplo, quando eu faço um exercício de valores com os líderes e funcionários de uma empresa, geralmente as pessoas dizem que o valor “família” é o mais importante. Mas quando eu pergunto, “quanto tempo você dispendeu com sua família esta semana comparado com o tempo que você passou na empresa”, a resposta de regra é um silencio constrangedor. Isso significa que existem outros valores que, na prática, são mais importantes que o valor família, tais como sucesso ou reconhecimento profissional, eficiência ou competência, relacionamento com os colegas, status/posição, etc.

Isso não significa que existe algo de errado em focar nos valores profissionais. Se você refletiu sobre esta questão e decidiu escolher de forma consciente focar mais na sua vida profissional do que na pessoal, mesmo que por um determinado período de tempo, isso é um direito seu. Você não deve se sentir culpado por esta decisão. Mas ocultar esta escolha e continuar com o discurso do valor “família” ou do “equilíbrio trabalho/vida pessoal”, é uma maneira de enganar a si mesmo e aos outros, o que irá comprometer a sua reputação e senso de integridade.

É por isso que a escolha dos valores centrais não deve ser feita de forma rápida e superficial, mas deve levar em consideração alguns fatores:

  1. Faixa Etária – é inegável que a idade tem uma tremenda influência sobre as prioridades ou valores de uma pessoa. Um jovem entrando no mercado de trabalho geralmente tem como prioridade o sucesso ou evolução profissional. Ele poderá dedicar muitas horas para o trabalho para ganhar experiência e aumentar o seu nível de desempenho.  Por outro lado, um líder sênior prestes a se aposentar não terá mais preocupação com essa questão. Provavelmente ele estará mais preocupado com valores relacionados ao propósito ou significado da vida, ou de que maneira ele poderá deixar um legado para as futuras gerações;
  2. Grupo econômico/social – quanto mais você estiver na base da pirâmide econômico/social, maior é a possibilidade de sua atenção estar focada na satisfação das necessidades básicas descritas por Abraham Maslow. Isso significa um foco maior nas necessidades físicas ou materiais expressos, por exemplo, nos valores segurança financeira e do emprego, saúde, e nas emocionais expressos nos valores família, amizade, respeito, reconhecimento. Por outro lado, quanto mais alto você estiver nesta pirâmide, maior é a possibilidade da sua atenção estar focada na satisfação das necessidades de crescimento. Isso significa uma atenção maior nas necessidades mentais expressas nos valores inovação, independência (de opinião), responsabilidade e participação, e necessidades espirituais expressas nos valores missão/propósito, fazer a diferença e responsabilidade social.
  3. Autoconhecimento – semelhante à análise acima, se você tem pouco autoconhecimento e por isso se sente preso a condicionamentos e crenças limitantes do passado, sua atenção provavelmente estará focada nas necessidades básicas. Ao passo que se você tiver um alto nível de autoconhecimento, buscará escolher valores focados nas necessidades de crescimento ou autorealização.
  4. Momento de Vida – se você está passando por uma crise pessoal, profissional ou financeira tenderá a escolher valores que apoiam suas necessidades básicas ou de deficiência. Neste momento é natural focar nas necessidades básicas, isto é, nos níveis físico e emocional, para que você se sinta mais seguro. Mas assim que a crise passa, voltará a investir nos valores que eram mais importantes para você no período antes da crise. Já se você está vivendo um momento positivo de prosperidade e segurança emocional e profissional, a autoconfiança poderá te dar a liberdade de escolher valores que você nunca tinha considerado, e que estão localizados num estágio de consciência acima do seu estágio atual.

Ao fazer uma reflexão sobre os seus valores centrais, escolha não mais do que 3 valores, escrevendo o que eles significam para você e quais os comportamentos que expressam esses valores na prática. Isso vai ajudá-lo a tornar estes valores referências para a sua tomada de decisão. A vantagem de tomar decisões com base em valores é que eles ajudam você a criar o futuro que você quer criar, ao passo que as decisões baseadas em crenças reforçam o seu condicionamento e as limitações do contexto do passado. Abaixo, veja o quadro dos meus valores, crenças e comportamentos.

Valores Crenças Comportamentos
Realização Pessoal Atualizar e integrar minhas capacidades físicas, emocionais, mentais e espirituais. ·Tomar decisões de longo-prazo que aumentem o meu senso de realização

·Focar em atividades e projetos que utilizem o máximo de minhas capacidades

·Levar em conta meu perfil, talentos e capacidades ao me envolver com novos projetos.

Aprendizagem Contínua Estar aberto de forma contínua a novas informações, percepções e experiências e utilizá-las para expandir o meu potencial. ·Buscar novas informações e experiências que agreguem valor ao meu repertório conhecido

·Incluir novas informações e experiências em minha atuação profissional

·Avaliar as decisões de baixo impacto para compreender os modelos mentais limitantes.

Assumir riscos/coragem Disponibilidade para encarar e aprender com novas situações e desafios e reavaliar o curso de vida. ·Desenvolver a capacidade de perceber oportunidades não reconhecidas. 

·Criar soluções robustas para questões pouco compreendidas

·Fazer diferente/desafiar o status quo sempre que houver uma necessidade não atendida.

Por ultimo, lembre-se que cada decisão te obriga a abrir mão de alguma coisa. A própria origem da palavra “decisão” tem esse significado – tomar uma decisão significa “cortar escolhas”, abrir mão dos caminhos não escolhidos. Se você entender esse significado como algo ríspido e limitante, você poderá se sentir paralisado por não querer tomar decisões. Mas se compreender como algo positivo e necessário, como uma característica da própria existência, então você encarará a tomada de decisão como um ato de libertação.

Se você quiser avaliar os seus valores pessoais e compreender o que eles significam e o impacto sobre suas prioridades, clique sobre o link: www.valuescentre.com/pva

[i] Veja o vídeo e artigo específico sobre Autoliderança no site – www.liderancaintegral.com.br

Veja também